Óleo de soja queimado faz muito mal para a saúde

Óleo de soja é básico em qualquer cozinha, mas está caro. Esse detalhe tem forçado a utilização de uma mesma quantidade de óleo repetidas vezes, “esticando” a capacidade de fritura de cada porção.

Usar muitas vezes o mesmo óleo é abusar de gordura poliinsaturada – e cada tipo de óleo tem suas características que precisam ser respeitadas. Dependendo do óleo e seus isômeros tóxicos, a fumaça produzida durante a fritura pode ser tóxica com o passar dos dias, com aumentos reais de desenvolver câncer e doenças cardíacas. Isso sem contar o perigo que é consumir qualquer alimento frito nessas condições.

Lembre-se que a liberação de ácidos graxos acontece lentamente conforme o líquido é aquecido.

Se você deseja trocar o óleo de soja e tem dúvidas sobre qual usar, não se preocupe. Veja com a Ambiental Santos quais as características de cada óleo vegetal, seu ponto de queima e fique atento com a mudança de cor, sabor e até mesmo a fumaça que sai da frigideira.

Óleo de girassol (ponto de queima 120 graus)
11% de gorduras saturadas.
20% de gorduras monoinsaturadas
69% de gorduras poliinsaturadas.

Ou seja,  não é recomendável fritar nada com óleo de girassol que, sim, é perfeitamente inofensivo em saladas desde que seja aplicado sem exageros. Na embalagem original, o óleo de girassol precisa estar em lugar seco, escuro e arejado.

Óleo de gergelim (ponto de queima 230 graus)
14% de gorduras saturadas
40% de gorduras monoinsaturadas
41% de gorduras poliinsaturadas.

Outro exemplo que não vale a fritura. Tem uma grande quantidade de ácidos graxos poliinsaturados, então use apenas para finalizar pratos, em uma salada ou para untar a panela.

Óleo de milho (ponto de queima 232 graus)
12% de gorduras saturadas
27% de gorduras monoinsaturadas.
54% de gorduras poliinsaturadas.

Tem boa concentração de ômega 3 e 6 em sua composição, baixo teor de gorduras saturadas e pode ser utilizado no preparo de doces, massas e bolos. Mas o óleo de milho não é indicado para consumo frio e nem deve ser aquecido a altas temperaturas. Descarte de frituras.  

Óleo de canola (ponto de queima 200 graus)
7% de gorduras saturadas
63% de gorduras monoinsaturadas
28% de gorduras poliinsaturadas.

Pode ser usado, mas tem saturação média com os ácidos graxos prejudiciais. Fique atento para não usar com fogo muito alto e troque o óleo com as mudanças de cor e textura do óleo de canola.

Azeite de oliva (ponto de queima 200 graus)
14% de gorduras saturadas
73% de gorduras monoinsaturadas
11% de gorduras poliinsaturadas.

Sabia que o Azeite Extra Virgem é o melhor óleo para fritar que óleo de sementes de girassol? O que ocorre é que os óleos de sementes como girassol, canola, milho, soja contém gorduras poliinsaturadas, as quais se degradam mais facilmente, produzindo compostos de oxidação que não são nada bons para a nossa saúde..O óleo de oliva é considerado um dos mais seguros, devido ao baixo teor de ácidos graxos poliinsaturados.

Óleo de coco (ponto de queima 450 graus)
88,5% de gorduras saturadas.
6,5% de gorduras monoinsaturadas.
5% de gorduras poliinsaturadas.

O óleo de coco pode ser considerado o mais seguro para fritar. Seu ponto de queima é a temperatura máxima a que um forno caseiro pode chegar. Já o teor de gorduras poliinsaturadas é tão baixo que quase não haverá resíduos de sua decomposição.

 

Fato é: usou muitas vezes? Descarte corretamente o óleo vegetal com a Ambiental Santos.